RETROSPECTIVA 2023

Jornal ÉME – Luanda – 05.01.24 – O Presidente da República, João Lourenço, no âmbito da sua intensa agenda diplomática, rubricou, durante o ano de 2023, vários instrumentos jurídicos de cooperação bilateral, com mais de 10 países, com destaque para o encontro de trabalho com o seu homólogo norte-americano, Joe Biden. 

Quénia, Japão, Botswana, Brasil, Egipto, Itália, Malawi, Portugal, Cuba e França, são alguns dos países em que a diplomacia angolana estreitou as relações de cooperação bilaterais, rubricando acordos estratégicos em vários domínios, não só por via de Chefes de Estados e de Governos, mas também a nível empresarial, comercial e de investimentos recíprocos.

Em matéria de resultados concretos no plano material, a acentuada jornada diplomática do Presidente João Lourenço, em 2023, resultou num investimento, estimado em mil milhões de dólares norte-americanos, para financiar o Corredor do Lobito, um dos projectos em que os Estados Unidos desempenham um papel preponderante.

Este projecto de linhas férreas ligará Angola, República Democrática do Congo e Zâmbia aos mercados internacionais, e é a maior infraestrutura de transportes que os Estados Unidos investem no continente “berço da humanidade”.

Ligando o Oceano Atlântico ao Oceano Indíco através  do Continente Africano, em toda a sua extensão, o Corredor do Lobito vai consolidar o comércio regional e o crescimento económico em África.

De referir, que no mandato vigente, Angola foi o primeiro país africano a sul do Sahara, a ser visitado pelo Rei Felipe VI e pela Rainha Letizia, do Reino da Espanha, facto ocorrido em Fevereiro de 2023, e que serviu para o relançamento das relações de intercâmbio, a vários níveis e domínios.

Após assumir o poder, em Setembro de 2017, na sequência das eleições gerais realizadas nesse mesmo ano, no País, o Presidente João Lourenço colocou, também, a diplomacia económica entre as prioridades de topo do seu plano de acção.

Como é óbvio, a diplomacia económica é indissociável da diplomacia política,  já que abre o caminho para a sua afirmação criando um clima propício à sua efectivação.

Desde então, o estadista angolano esboçou uma estratégia diplomática, inicialmente virada para a reconquista dos espaços vazios ou perdidos ao longo dos anos.

Texto: NBS