Jornal ÉME – Luanda – 31.01.24 – O continente africano comemora nesta quarta-feira (31), o dia da Paz e da Reconciliação, na sequência da Declaração da 16ª Sessão Extraordinária da Assembleia de Chefes de Estado e de Governo da União Africana sobre o Terrorismo e as Mudanças Inconstitucionais de Governo em África, realizada em Maio de 2022, em Malabo, Guiné Equatorial.

A efeméride fica marcada, em particular, pelo facto de nesta data ter sido atribuído ao Presidente da República, João Lourenço, por unanimidade, a meritória atribuição do título de “Campeão da União Africana para a Paz e Reconciliação em África”.

Na mensagem dirigida ao Conselho de Paz e Segurança da União Africana, que realizou hoje uma sessão de trabalho, em formato virtual, o Chefe de Estado, observou que, no exercício das responsabilidades enquanto Campeão Africano para a Paz e Reconciliação, ” tem se empenhado na defesa e preservação da cultura da paz e da diplomacia preventiva no continente “berço da humanidade”.

Na missiva, o Presidente da República João Lourenço, reitera o seu esforço e dedicação pessoal “na busca de soluções pacíficas para os diferentes conflitos que perduram em várias regiões do continente, encorajando permanentemente o diálogo e promovendo a consulta política como via para o reforço da confiança e para a construção de entendimento entre as partes desavindas”.

Como salienta a mensagem do Bureau Político do MPLA alusiva a data, o 31 de Janeiro tem um significado especial, dado ao relevante papel do Chefe de Estado, nas iniciativas diplomáticas pela pacificação do continente com ênfase na Região do Leste da República Democrática do Congo e na luta contra o terrorismo e as mudanças inconstitucionais de Governo em África.

O organismo permanente de Direcção do MPLA, destaca na mensagem o comprometimento do Presidente João Lourenço no desenvolvimento sócio-económico e político-cultural da região.

A efeméride é celebrada com o selo de iniciativas diplomáticas que representam as bases de reforço do compromisso dos países com a inclusão e estabilidade política de África, tendo como eixos centrais a conquista da paz e segurança no continente , o combate cerrado á propagação do terrorismo, extremismo violento, corrupção, nepotismo e a crescente internacionalização dos conflitos.

Texto: NBS